Feeds:
Artigos
Comentários

Archive for Abril, 2009

Ser pai e ser mãe…

É ter muito amor para dar.

É privar-se de alguma coisa para que o filho tenha mais.

É renunciar a um passatempo para se ocupar do filho.

É passar a noite em claro porque o filho sofre.

É passar o tempo juntos.

É ajudar o filho quando se chega mesmo cansado.

É sofrer interiormente porque o filho é rejeitado.

É aceitar diminuir para que o filho possa crescer.

É deixar de ser para que o filho seja…

Ser pai e ser mãe é amar.

 

Mas também,

Ser filho e ser filha…

É sentir-se amado por alguém que nos quer bem.

É amar aqueles que nos chamaram à vida.

É sentir-se irmão de todos.

É ajudar quem mais precisa.

É acolher quem é diferente.

É respeitar toda a gente.

É colaborar para que todos se sintam felizes.

É participar na construção de um mundo melhor.

É estar aberto à compreensão e aos sentimentos dos outros.

 

Ser filho e ser filha…

É saber-se amado, e amar.

  

14 Primaveras de Felicidade

 

2256763702_d0930522ac_o1

Anúncios

Read Full Post »

Esquecida na sombra do  silêncio,

uma Luz eterna de esperança

rasga um céu aveludado de ternura.

Coberto por um manto de sonhos,

oculta na sua ínfima memória

recordações esquecidas…

 

Lembranças outrora vivídas.

 

O primeiro choro da vida

rompe um novo caminho…

 

Nasce uma vivência sem igual,

um brilho constante de alegria.

  3163213300_8aaf70738e_o

Read Full Post »

O amor, dizes-me

 

Escuto o silêncio das palavras. O seu silêncio

suspenso dos gestos com que elas desenham

cada objecto, cada pessoa, ou as próprias ideias

que delas dependem. Por vezes, porém, as

palavras são o seu próprio silêncio. Nascem

de uma espera, de um instante de atenção, da

súbita fixidez dos olhos amados, como se

também houvesse coisas que não precisam de

palavras para existir. É o caso deste sentimento

que nasce entre um e outro ser, que apenas

se adivinha enquanto todos falam, em volta,

e que de súbito se confessa, traduzindo em

breves palavras a sua silenciosa verdade.

 

Nuno Judice

Read Full Post »

Poema da despedida

 

Não saberei nunca

dizer adeus

 

Afinal,

só os mortos sabem morrer

 

Resta ainda tudo,

só nós não podemos ser

 

Talvez o amor,

neste tempo,

seja ainda cedo

 

Não é este sossego

que eu queria

este exílio de tudo,

esta solidão de todos

 

Agora

não resta de mim  

o que seja meu

e quando tento

o magro invento de um sonho

todo o inferno me vem á boca

 

 

Mia  Couto

Read Full Post »

Silenciosa…
esquecida,
perdida
no vazio de um lamento.

 

Ao longe,
nas margens do sentimento
uma alma de vida
percorre
um caminho sem sentido,
um destino proíbido.

 

Envolto em lágrimas
a jorrar nas margens do meu rio
nasce
uma vontade
de sangue frio,
ocultada por um desejo
firme,
sombrio,
de peito aberto.

 

É o vento,
leve
que me leva
levemente
até ao sol
como um pássaro,
uma espécie de rouxinol.

 

Bem perto,
oiço um canto,
vejo uma janela aberta.
No seu recanto,
uma vela
acesa,
com toda a certeza
arde
ardentemente,
caída
ferida
de mágoa.

 

E de repente,
num instante
a pestanejar
entre um breve olhar,
vejo
a tristeza
que nas asas do Tempo
partiu
a voar…

 

simultaneousness…

Read Full Post »